Como conciliar sua estratégia de e-commerce e marketplace

Vender on-line no Brasil tem sido cada vez mais promissor – seja em um e-commerce próprio ou no marketplace. E os números não mentem: em julho de 2020, 86% dos brasileiros conectados à internet realizaram pelo menos uma compra on-line, conforme dados da Conversion.

 

O boom do varejo eletrônico no país foi fortalecido pela pandemia. Com os períodos em que o comércio físico teve que permanecer fechado e as pessoas evitando sair de casa, tanto quem precisava vender quanto quem precisava comprar recorreu à internet. O resultado? Um crescimento de 40,7% das lojas virtuais, como apontou um estudo do Paypal, se comparado agosto de 2019 e de 2020.

 

Com o mercado aquecido, lojistas que, inclusive, já atuavam no on-line estão buscando expandir suas operações. O objetivo é alcançar novos públicos e ampliar mercado, além de fortalecer sua marca em novos canais de venda. Com isso, muitos vêm abraçando, também, o marketplace.

 

No artigo de hoje, você vai saber exatamente como conciliar as duas frentes, desenvolvendo estratégias que funcionem tanto para uma quanto para outra, ou, pelo menos, que caminhem juntas e conversando. Afinal, a ideia é que elas somem forças para o seu negócio.

 

E-commerce x marketplace

Como é comum confundirem o que é um e-commerce ou um marketplace, vamos começar definindo o que é cada canal e quais são as principais diferenças entre os dois.

 

E-commerce: loja virtual exclusiva de uma marca e seus produtos. Neste caso, a empresa é responsável por todo o processo de criar e manter uma loja virtual: hospedagem do site, sistemas de segurança e antifraude, meios de pagamento, back-office, além da identidade visual da marca e toda a ação de marketing.

 

Quando se opta por ter seu próprio site, isso também implica em arcar com todo o custo de montar e manter uma operação. Por outro lado, você também retém todo o lucro, sem precisar pagar as comissões cobradas pelo marketplace, e tem maior liberdade para conduzir o seu negócio, definindo suas próprias estratégias.

 

Marketplaces: eles são conhecidos como shoppings virtuais. Ao aderir a um marketplace, você poderá ofertar os seus produtos em grandes sites, como os da B2W Marketplace, que já são renomados e conhecidos no mercado. Este é um canal que já está completamente preparado para receber os itens da sua loja, oferecendo todo suporte operacional necessário. Sem contar o alto tráfego que esses sites já têm, trazendo diversos clientes sem que você precise fazer grandes esforços para isso.

 

Os marketplaces são verdadeiros parceiros de vendas e outra grande vantagem é que, ao começar a vender em um deles, você não precisa fazer nenhum investimento inicial. Geralmente, você paga apenas uma comissão por cada venda realizada.

 

Agora que você já sabe exatamente o que é cada um dos canais e quais as principais vantagens, chegou o momento de entender como eles podem coexistir no seu negócio.

 

Vender em um Marketplace pode ser ótimo para seu negócio mas é preciso estar atento às suas vantagens e desvantagens. Saiba aqui!

 

E-commerce + marketplace

Se por acaso você já tem um e-commerce e está cogitando aderir ao marketplace, ou se você não vende on-line, mas quer abrir o seu próprio negócio na internet, já atuando em mais de um canal, é preciso estar atento!

 

Apesar de serem parecidos, ambos estarem na internet e alcançarem o público de uma forma similar, as estratégias para um e-commerce e um marketplace nem sempre são iguais. É preciso entender a necessidade de cada canal, como conduzi-los lado a lado e conciliá-los, criando uma sinergia para toda sua marca, independentemente de onde o cliente tenha contato com ela.

 

Por isso, hoje, vamos dar quatro dicas importantes para você que tem (ou deseja ter) tanto um e-commerce, quanto uma loja em um dos marketplaces existentes no Brasil, como, por exemplo, a Americanas.

 

Vamos lá?

 

Leia este post e aprenda mais sobre o Marketplace, suas características e importância para o e-commerce!

 

1- Integre as suas operações

No mercado já existem soluções, conhecidas como integradoras, que fazem justamente o que o nome diz: integram os diferentes canais em que sua loja atua. Assim, você poderá ter uma visão total e completa da sua operação, independente se você atua só no on-line, em diversos canais, ou se também tem loja física..

 

Com as integradoras, todo processo fica mais fácil, principalmente com as ferramentas de automação, que integram as diferentes fases e processos do negócio, desde a gestão até a operação.

 

De modo geral, essas soluções produzem excelentes relatórios também, como quais dos seus produtos mais vendem, qual o canal de maior saída de cada um, dentre outros. E eles vão dar base ao gestor para tomadas de decisão e definição de estratégias para cada canal.

 

2- Treine e prepare sua equipe

Para conseguir atuar e analisar os diferentes canais, é preciso que você tenha uma equipe treinada e atualizada com os processos, ferramentas e soluções que a empresa utiliza. Por isso, promova treinamentos constantes, crie um ambiente favorável para que os funcionários tirem dúvidas, dêem sugestões, aprendam e ensinem.

 

Só assim você vai garantir que a tecnologia que você tanto investiu será bem utilizada.

 

3- Controle seu estoque

Um bom software de gestão irá integrar o estoque de todas as frentes em que atua: e-commerce, marketplace, loja física, redes sociais etc. Isso é essencial para que você tenha um maior controle sobre ele e entenda as necessidades de cada canal.

 

Com eles, todos os dados da quantidade dos produtos são atualizados em tempo real, contabilizando o que saiu, quando saiu, a necessidade de reposição e quantas mercadorias precisam ser compradas para abastecer o estoque.

 

Desta forma, você não corre o risco de vender algo que não tem para entregar, frustrando o seu cliente e trazendo prejuízos para sua reputação.

 

4- Entenda as necessidades de cada canal

Engana-se quem pensa que vender on-line é tudo igual ou o que o que deu certo em um site dará no outro. É preciso entender como o seu público se comporta em cada um deles, o que mais atrai, qual a força da concorrência em canais diferentes e como fazer para neutralizá-la.

 

Às vezes, é melhor dar um maior desconto no marketplace, por exemplo, devido ao alto número de lojistas naquela mesma plataforma e no seu site, trabalhar com outros atrativos, como frete grátis, brindes, clube de compras…

 

Viu? Conciliar um e-commerce com o marketplace não é uma tarefa difícil. Exige atenção e muito planejamento, além de decisões importantes. Mas uma vez que você abraça o desafio, ele se torna possível e o resultado é recompensador: muitas vendas, uma marca forte e conhecida.

 

Não se esqueça de inscrever em nosso blog. Toda semana temos vários posts com muitas dicas e novidades para fazer o seu negócio ir a mil! Siga a gente em nossas redes sociais também: Twitter, Facebook, Instagram, LinkedIne YouTube.


Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email

Não perca nenhuma novidade!

Inscreva-se em nossa newsletter para receber em seu e-mail as novidades e posts recentes da iSET

Novidades iSET

Nossas redes sociais