Veja como lidar com o direito de arrependimento dos consumidores

Quem administra uma loja física ou virtual sabe que é necessário cuidar de alguns pontos para não prejudicar o seu funcionamento. Principalmente, no caso dos e-commerces, é preciso, primeiro, definir uma plataforma que seja acessível e responsiva, e, após, determinar as condições em que seu produto será distribuído.

 

Esses são pontos cruciais e sabemos que todas as lojas os executam, porém, existem questões legais que também fazem parte da rotina do lojista e que precisam ser levadas em consideração. Uma delas é o direito de arrependimento do consumidor.

 

Para ajudar o comerciante, neste texto, resolvemos abordar alguns pontos sobre esse direito. Veja!

O que é o direito de arrependimento do consumidor?

Segundo o artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, o direito de arrependimento é uma garantia fornecida ao comprador, que pode desistir de uma compra feita, inicialmente, por telefone ou fora do estabelecimento comercial. Contudo, a legislação acabou servindo também para compras pela Internet, justamente, pelo fato de determinar que o usuário não deve ter acesso ao produto físico.

 

É importante dizer que o consumidor não precisa especificar o motivo de sua devolução, isto é, ele pode se arrepender sem que o artigo tenha algum defeito ou vício. A regra de devolução não vale para todos os produtos. Passagens aéreas compradas na Internet, por exemplo, não estão sujeitas a essa legislação porque não são artigos que geram dúvidas a respeito de sua propriedade.

 

Dito isso, vamos entender o que o lojista precisa levar em consideração em relação a essa lei.

O que levar em conta em relação ao direito de arrependimento?

Prazos

Um dos pontos importantes sobre essa lei são os prazos. De acordo com o artigo, o cliente tem até 7 dias para entrar em contato com a empresa indicando que se arrependeu da compra do produto. O prazo é contado a partir da assinatura do contrato ou quando o item é entregue.

Formas de envio

Outra questão que vale a consideração é a verificação de quem é a responsabilidade pelo recolhimento do produto. De acordo com a 2º turma do STJ, quem deve arcar tanto com a entrega quanto com a devolução é o lojista.

 

Isso significa que o comerciante precisa estar atento quanto às condições logísticas de sua loja e deve se preparar para os eventuais custos que esse tipo de situação pode trazer.

Pagamento

O último ponto (e não menos importante) trata das resoluções relacionadas ao pagamento, que, nesse caso, estão definidas no Decreto 7.962/2013. Aqui, ficou estabelecido que é o consumidor que deve comunicar ao provisor a devolução.

 

A partir do aviso, é o fornecedor que deve entrar em contato com a instituição ou administradora do cartão de crédito para pedir o cancelamento da transação, ou para solicitar a devolução do dinheiro em caso de a operação já ter sido processada.

 

Bem, agora ficou claro como funciona o direito de arrependimento e como você pode lidar com ele, não é? Quer continuar sabendo um pouco mais sobre a legislação para o e-commerce? Acesse já o nosso artigo sobre o assunto e tire todas as suas dúvidas!

 

Não se esqueça de inscrever em nosso blog. Toda semana temos vários posts com muitas dicas e novidades para fazer o seu negócio ir a mil! Siga a gente em nossas redes sociais também: Twitter, Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube.


Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on email

Não perca nenhuma novidade!

Inscreva-se em nossa newsletter para receber em seu e-mail as novidades e posts recentes da iSET

Novidades iSET

Nossas redes sociais